terça-feira, 3 de agosto de 2010

Um equilibrista perto de seu primeiro grande título


Não bastam estaduais ou mesmo bons Campeonatos Brasileiros. Só mesmo um título expressivo para colocar um treinador no rol dos principais do país. Dorival Júnior já é visto como um dos mais completos do momento e não sabe o que é ser demitido há várias temporadas. Falta a ele aquela taça que marca uma carreira. Deve ser a da Copa do Brasil de 2010, com o Santos nesta quarta-feira, salvo alguma surpresa muito grande no Barradão.

Por mais que se vejam Neymar, Robinho e Ganso como os protagonistas desse time, Dorival Júnior tem um papel fundamental na condução dos trabalhos e principalmente dos problemas. Em oito meses, os meninos da Vila, além dos gols e grandes vitórias, foram responsáveis por problemas e crises internas. E muitas, muitas molecagens. A mais recente em fatídica sessão de webcam no Twitter.

- Chapéu de Neymar em Chicão
- Atraso de Madson e punição
- Polêmica com Luxemburgo
- Rebeldia de Ganso contra o Santo André
- Atrasos de Madson, Neymar, André e Ganso
- Boicote de Neymar e reclamações de Ganso
- Briga Wesley x Robinho
- Rumores sobre saída de Neymar
- Desânimo de André após negociação
- Pênalti perdido por Neymar contra o Vitória
- Madson, Felipe, Zé Eduardo e Zezinho na webcam

É injusto criticar Dorival Júnior pelos problemas internos no Santos. O treinador praticamente luta sozinho para controlar e contornar as brincadeiras e rebeldias da garotada. Jamelli, se sabe publicamente, não goza de respeito junto ao elenco. Luis Alvaro, ótima pessoa, não tem exatamente pulso firme. Pedro Luiz Nunes, diretor de futebol, é distante dos jogadores.

Dorival Júnior faz o possível para administrar um ambiente instável como qualquer relação afetiva entre jovens que se gostam, mas podem criar um problema de uma hora pra outra. Até mesmo jogadores experientes como Edu Dracena, Léo e Marquinhos já não são capazes de frear o ímpeto da ala de garotos. A saída de Fábio Costa é outro caso onde o poder dos "meninos" ficou evidenciado: o goleiro havia brigado com Ganso em 2009 e foi escanteado no vestiário.

Na remontagem do elenco para o segundo semestre, Dorival deve ter um ambiente melhor. Robinho, influência negativa para os mais jovens, deixará o clube e André também vai junto. Madson apenas aguarda uma proposta, mesmo de empréstimo, para ser liberado. Ganhará espaço Keirrison, pacato e muito ligado ao treinador.

Por tudo isso, mais que um título, a Copa do Brasil será um alívio grande para Dorival Júnior. Deve tirar o peso negativo de um ambiente conturbado, lhe garantir até o fim do ano, permitir mudanças no elenco e, de quebra, lhe colocar definitivamente entre os principais treinadores do Brasil. Nada mais justo para um sujeito talentoso e competente. Quase um equilibrista nos últimos meses.

3 comentários:

Lucizano disse...

Dassler, o Mádson está com os dias contados na Vila não? Depois de aprontar tanto e de até ser afastado, uma hora diretoria ou o 'equilibrista' vão se cansar.

Abs e parabéns pelo blog.

Dassler Marques disse...

Está mesmo, Lucizano. Duvido que chegue ao fim do ano, especialmente seguindo nessa toada "polêmica", como ele se intitula.

abs,

Maria disse...

Time de bonzinho não ganha nada, o importante é o talento!! Craques são imprevisíveis dentro e fora do campo.