domingo, 6 de novembro de 2011

Tudo que conspira para o raro equilíbrio do Campeonato Brasileiro


A Bundesliga, quando não tem o Bayern de Munique a 100%, é o campeonato que tem quatro ou cinco candidatos ao título. No Inglês e no Italiano, raramente sai de um grupo de três concorrentes, cenário ainda mais restrito na Espanha. Esqueça a ideia de que o Brasileiro é o melhor do mundo, mas a classificação a cinco jogos do fim mostra que equilíbrio existe mesmo é por aqui. São cinco times separados por uma diferença de três pontos e, embora o Corinthians lidere 22 das 33 rodadas, não há garantias na mesa.

O que ajuda a explicar essa situação tão peculiar do futebol brasileiro é o desequilíbrio cotidiano de nossos clubes. Uma equipe que ontem era presa fácil rapidamente se torna competitiva, como são os casos de Fluminense e Atlético-MG, provavelmente os grandes vencedores da rodada 33. Por sorte, enfrentar os times certos na hora certa ajuda a explicar sequências positivas na competição, caso exato do líder Corinthians.

Um time que teve força e incrível competência para somar 27 pontos em 10 partidas contra uma série de equipes em momentos instáveis, mas é irregular já desde o fim de julho. São mais de três meses sem duas vitórias seguidas e você provavelmente nem se deu conta.

Se não há torneio nacional equilibrado como a Série A, também não há tantos clubes sujeitos a turbulências quanto os grandes brasileiros. Administrações mal estruturadas, sujeitas a interferência de torcidas organizadas e de imprensa nas decisões, sobretudo trocas de treinadores e de jogadores, ajudam e muito a compor esse cenário que resulta na classificação a cinco rodadas do fim. Mesmo o Flamengo, desacreditado em uma semana que pipocaram os inacreditáveis atrasos nos salários de Ronaldinho, tem totais possibilidades e empurrou o Cruzeiro para a zona do rebaixamento.

Contra os cariocas, em tese, pesa a tabela de clássicos nas rodadas finais. O Vasco tem três clássicos, o Flu e o Botafogo têm dois e o Flamengo (atenção ao detalhe) apenas um, contra os vascaínos, em sua última partida. Mas, no dia em que o líder perde para um time virtualmente rebaixado com atuação muito abaixo da crítica, como fazer prognósticos?

Os confrontos diretos entre cariocas podem favorecer, mas a série final do Corinthians (Ceará, Atlético-MG, Figueirense e Palmeiras), que parecia acessível há duas semanas, hoje se anuncia muito dura. É a imprevisibilidade do Campeonato Brasileiro sem favoritos confiáveis.

3 comentários:

BRandeSpim disse...

O Botafogo tem 2 clássicos pra fazer e não 3 como está no post
Abs

Dassler Marques disse...

Corrigido!
Obrigado

Luis Marcelo Bim Tedesco disse...

O Brasileiro sempre foi um dos mais disputados do mundo (o que não significa que é o melhor).
E tem que levar em consideração que muitos times não levam com a mesma seriedade no inicio, por causa da libertadores(e no caso do Santos até depois).
Mas, apesar de qualquer coisa, o brasileiro ainda é bem competitivo, chama a atenção dos torcedores e sempre aparece uma surpresa, como é o Figueirense esse ano.