domingo, 1 de janeiro de 2012

Feliz ano velho: Luxemburgo e o Fla não aprenderam com os erros do passado


A temporada 2012 se inicia, a diretoria do Flamengo trabalha por negociações, mas o único reforço confirmado é o quase desconhecido lateral Magal, ex-Americana. Até aqui, as principais movimentações de mercado foram as renovações de Felipe e Renato Abreu, além é claro do acerto para a permanência de Ronaldinho. Thiago Neves, autor de 21 gols no ano passado, deve sair. O sonho rubro-negro, adivinhe, é Vagner Love.

Na véspera de se apresentar à pré-temporada e a três semanas de decidir vaga na Copa Libertadores, o Flamengo é mar de incertezas porque, em dezembro, não sabia qual seria seu treinador para 2012. A decisão impacta diretamente no departamento de futebol, no planejamento do ano seguinte e na montagem do elenco. Por isso, o gol de Renato Abreu, contra o Vasco, valeu tanto, mas não serviu para tirar a equipe do atoleiro. Anda, anda e não muda de lugar.

Curioso é notar um grave erro de planejamento de Vanderlei Luxemburgo, cuja montagem de equipe, ao fim da temporada, tinha quatro pilares fundamentais sem a certeza da permanência, o que ainda se estende a Willians, Maldonado e Aírton, entre outros. Mais curioso ainda é o erro partir do mesmo Luxemburgo, que assume papel de gestor e tem carta branca, na Gávea, para cuidar do mercado. Foi por conta de vacilo semelhante que o Palmeiras deixou a briga pelo título brasileiro em 2008.

Naquele ano, líder do Brasileiro no começo de outubro, a equipe despencou nas rodadas finais justamente por conta dos contratos. Titulares importantes como Alex Mineiro, Kléber, Leandro, Martinez e Elder Granja, entre outros, tinham vínculos a vencer, a situação escapou do controle e o time se perdeu. Luxemburgo admitiu o erro na ocasião e remontou um grupo todo novo para 2009, com jovens como Keirrison, Cleiton Xavier, Marquinhos e Willians, e iniciou a temporada sob protestos da Mancha Verde.

Quem chega tarde para comprar, conhece bem Luxemburgo, compra a toque de caixa e, ou paga mais caro, ou contrata pior. O Flamengo se lembra bem do quanto pagou por Diogo e Deivid, no último dia da janela de 2010, porque Zico não teve o traquejo de mercado. Foi assim durante o Brasileiro, com Junior Cesar e Alex Silva. Antes mesmo de 2012 começar, o Fla já é uma sucessão de erros.

Foi em cenário assim, não custa lembrar, que o Corinthians arruinou os primeiros meses de 2011 e despencou contra o Tolima. Liedson, por exemplo, só foi apresentado quando a equipe já havia perdido a vaga na Libertadores. Tudo fruto das mudanças no departamento de futebol e na demora para se reestruturar o clube para encarar o mercado. Por situações mais ou menos como essas é que Vasco, Palmeiras e Santos ainda não têm reforços de verdade confirmados.

Uma temporada de sucesso, muitas vezes, começa muito meses antes da própria temporada. O Flamengo de 2012 tentará mudar essa escrita, mas já está atrasado.

Um comentário:

Wilson Hebert disse...

Só uma observação, Dassler. O Luxemburgo não possui tanta carta branca assim...

É bem verdade que ele goza de total apoio da presidente, mas isso não garante plenitude. Michel Levy, o vice de finanças, que é um homem forte na complicada diretoria, possui uma relação bastante estremecida com o treinador e vem sendo acusado de dificultar a liberação de verba para contratações (principalmente as mais alternativas apontadas pelo Luxa).

Outro foco de rejeição vem dos conselhos (fiscal e administrativo), cujos presidentes não observam com bons olhos o alto poder de Luxemburgo a frente do futebol.

Em tempo, o Flamengo sempre encontra dificuldades para se planejar e parece não conseguir andar com o tempo a seu favor nos momentos entre temporadas. Mas esse ano tudo leva a crer que será ainda pior, pois é ano de eleição.

Abraço!