sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

De quem Adílson não prescinde


Mais uma vez, o Cruzeiro vende um jogador imprescindível em um momento em que não parece capaz de viver sem ele. A saída de Kléber será difícil de ser suprida, haja visto a dificuldade de vários clubes em encontrar um centroavante confiável no mercado. Ernesto Farías, a não ser que provoque uma reviravolta em sua carreira, não será esse jogador. Ainda assim, Adílson Batista não deve estar muito preocupado, já que Kléber, por quem ele nunca morreu de amores, levou consigo seus cartões vermelhos, rumores constantes de saída e outros problemas.

Confiança plena é o que Adílson tem no trio Fabrício, Henrique e Marquinhos Paraná, assegurados entre os titulares do Cruzeiro pela terceira temporada consecutiva. Henrique e Marquinhos (56 e 59, respectivamente) só não jogaram mais que Fábio em 2009, ano de 68 jogos para o Cruzeiro. Com lesões e ainda três expulsões, Fabrício atuou um pouco menos (47), mas em apenas uma dessas partidas não foi titular.

Em 2008, Marquinhos Paraná também impressionou, tendo jogado em 58 das 61 partidas cruzeirenses pela temporada. Henrique ainda não era titular absoluto, já que Charles era melhor opção. Ainda assim, atuou em 35 jogos. Fabrício novamente teve problemas físicos e participou do mesmo número de duelos.

Cabe lembrar que a contratação dos três jogadores foi o primeiro motivo da insatisfação com Adílson Batista no Cruzeiro. O clube tinha Charles e Ramires voando após o Brasileiro de 2007, mas o treinador bateu o pé e exigiu os reforços. O tempo vai dando razão a Adílson.

2 comentários:

Henrique disse...

Ótimo comentário, mas só uma coisa. O Adilson adora o futebol do Kleber. Sempre foi o atacante titular do Cruzeiro. abs

minicritico disse...

Ótimo trio. Pena que não têm o tal do 'pedigree' pra irem à Seleção algum dia.

Os três são homens de confiança dele desde outras épocas, no Jubilo Iwata. Aliás, a dupla Marquinhos Paraná e Henrique já tinha atuado com o Adílson no Figueirense também, no bom time que tinha, entre outros nomes, Chicão, Carlos Alberto, Rodrigo Souto, Cícero e Soares.