domingo, 24 de janeiro de 2010

A imagem do jogador brasileiro


Robinho já diz a quem queira ouvir que vai retornar ao Brasil, ainda que o Manchester City, até a publicação deste post (15h30), não tenha se pronunciado oficialmente. É o grande trunfo do jogador na tentativa de manter a confiança que Dunga deposita nele, cuja titularidade é ameaçada pela boa fase de Nilmar e também pelo que tem feito Ronaldinho Gaúcho nos últimos tempos.

Se confirmada, a volta de Robinho ao futebol brasileiro é mais uma péssima imagem que os jogadores do país pentacampeão dão aos clubes europeus. Não à toa, tradicionalmente, os atletas que saem do Brasil têm preço de mercado abaixo aos argentinos, cuja adaptação à Europa ocorre de forma mais natural. Em quatro anos no Velho Continente, Robinho movimentou algo próximo de 100 milhões de dólares com suas duas transferências, mas raramente foi um jogador decisivo. Pior: taticamente, também nunca se mostrou disposto a seguir as instruções de seus técnicos.

Curiosamente, Alex Silva, retornando ao São Paulo, é outro dessa turma. O Hamburgo, há um ano e meio, gastou algo acima de 15 milhões de euros para levá-lo junto a Thiago Neves para a Europa. Nenhum dos dois nomes se mostrou útil ao elenco hamburguês. Alex fez bico quando ouviu que precisaria atuar como volante. Thiago reclamou do tratamento concedido por Martin Jol, seu treinador na época.

Por essas e outras, atletas como Sylvinho, companheiro de Robinho no City, devem ser vangloriados. O lateral, que acaba de fazer um golaço contra o Scunthorpe, já está na Europa há 12 temporadas.

3 comentários:

André Augusto disse...

Infelizmente, jogador brasileiro não tem senso de coletividade, fruto da grande técnica que normalmente existe por aqui. Isso acaba dando uma sensação de "intocável" ao brasileiro, que chega na Europa e acha que vai ser mimado como no Brasil, como ocorreu com os jogadores citados. Como profissional, o jogador brasileiro ainda segue muito aquém do que pode desenvolver em campo.

Felipe disse...

Acho que ai entra aquela velha historia da formação do jogador, é bem válido buscar as causas deste processo que denigre a imagem do atleta brasileiro.

Fernando disse...

Talvez esse seja o preço que os europeus pagam por levar jogadores tão jovens para lá. Às vezes, como nos casos de Kaká e Denílson (vocês sabem qual), eles acertam, mas isso não é lá muito frequente, ainda mais em se tratando de brasileiros mimados. E todo mundo já devia ter ficado esperto desde a primeira transferência do Robinho, para o Madrid. Ali ele já mostrou quem é.