sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Queda vertiginosa


No fim de 2008 a discussão mais comum em cada roda sobre seleção brasileira era se Amauri deveria ou não ser chamado. Dunga lembrou do atacante, mas a Juventus não liberou e depois ficou claro que a Itália seria o caminho do filho de Carapicuíba. Ainda esperando o passaporte italiano para tentar jogar a Copa do Mundo, ele vive uma fase terrível com a Juventus.

São quatro gols de Amauri ao longo de toda a temporada, sendo que dois deles saíram em um mesmo jogo, contra a Sampdoria, dia de goleada por 5 a 1. O jejum, no entanto, já dura quase quatro meses, pois o confronto com a Samp foi em 28 de outubro de 2009.

Na Itália, a presença do atacante na Copa, antes uma certeza, já perde quase 100% força. A tendência é que Gilardino seja o titular e Pazzini e Iaquinta disputem um lugar no avião para a África do Sul. Por fora, Luca Toni tenta pegar carona na boa fase da Roma para pleitear um retorno após uma péssima Eurocopa há dois anos. Para piorar as coisas, a lentidão para conseguir um passaporte mandou por terra as chances de ele ser testado por Marcelo Lippi, antes o grande entusiasta por sua presença na Azzurra.

Não são só as pretensões de Amauri que são afetadas na Juventus. Diego poderia convencer Dunga de que é o reserva ideal de Kaká, mas as exibições boas de início de temporada simplesmente sumiram. Pior ainda é a fase de Felipe Melo, mas a confiança da comissão técnica parece firme como uma rocha em sua titularidade.

2 comentários:

Matheus Pereira (FootEuro) disse...

Dassler, entre no FutEurope (futeurope.blogspot.com) e participe do quiz! Leia o regulamento no blog e mande por e-mail. As regras estão lá.

abraços.

André Augusto disse...

Felipe é homem de confiança de Dunga. Acho que a Juventus vem mal como um todo. Uma vaga na Champions é lucro dentro desse turbilhão que é a equipe atualmente.