sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sai Magrão, entra Andrezinho


Em 2008, Tite e Magrão tiveram alguns atritos porque o jogador queria a titularidade absoluta, que só se consolidou de verdade nesse ano. Hoje, vender o volante para o futebol emirense parece um grande negócio. Andrezinho, o reserva imediato, tem muito mais a oferecer para o time. Nesse ano, só Lauro, em todo o elenco colorado, jogou mais que ele.

Não é por acaso que o Internacional corre para renovar e ampliar o contrato de Andrezinho, que fez 51 jogos na temporada e marcou 14 gols. No Brasileiro, o meia entregou cinco passes precisos para gol, números inferiores apenas aos do lateral Kléber. Com ele em campo no losango do meio-campo, Tite ganha em criatividade e imprevisibilidade. Principalmente, dá fluidez ao lado direito do ataque colorado, normalmente muito morto.

Quando surgiu no Flamengo, atuando por seleção sub-20, Andrezinho era um atacante preguiçoso e com jeito de marrento. Depois de alguns anos no futebol coreano, voltou ao Brasil para jogar no Inter, bem indicado por Abel Braga, se firmou. É um meia inteligente, de passes precisos e ótimo senso tático. Hoje, fazer um dinheiro com Magrão é grande negócio. O reserva é melhor que o titular.

2 comentários:

Saulo disse...

O Andrezinho tá jogando muito bem e agora vai ter mais oportunidade.

Tio Greg disse...

O grande problema do teu raciocino, Dassler, é que Tite não vê Andrezinho como reserva de Magrão, e sim, de D'Alessandro. Provavelmente, o títular não seja nem Magrão, e sim Giuliano, q está na sub-20. Só que como Magrão voltou bem ao time e Andrezinho já jogou na função de meia pela direita, fica complicado afirmar que Magrão é títular e Andrezinho é reserva. Já faz algum tempo que o Inter tenta aplicar uma política de rotação de elenco, aos moldes de clubes europeus. O que tornaria essa dúvida inócua. O problema é botar isso na cabeça de jogadores como Magrão, que querem ser títulares sempre.