domingo, 27 de setembro de 2009

Se vier, título do Palmeiras será justo


O Palmeiras abriu seis pontos sobre o vice-líder São Paulo, que precisará vencer o clássico com o Corinthians para conseguir ver o rival de perto. Tudo isso após uma rodada que se anunciava problemática ao time de Muricy Ramalho, com os são-paulinos em campo neutro contra o Santo André e uma peleja dura no Mineirão contra o Cruzeiro. Três dias depois, outro jogo complicado, mas os palmeirenses suaram sangue e “coparam” seis pontos.

Há algumas características na campanha palmeirense que indicam merecimento no Brasileiro, especialmente por parte da direção do presidente Belluzzo, do faz-tudo Gilberto Cipullo e de Toninho Cecílio, tripé essencial.

O comando palmeirense merece elogios desde que conduziu com serenidade a transição Luxemburgo-Muricy. Primeiro foi perfeito ao compreender que Luxa não é mais o treinador que sobrava, característica muito mais adequada a Muricy Ramalho, que estava livre no mercado. Em seguida, foi perfeito e duro ao segurar todos os titulares, exceto Keirrison, em tempos de janela de transferências, dobrando os investidores e bancando as permanências de Pierre e Diego Souza.

Não fosse suficiente, o Palmeiras fez o que todos tentavam há pelo quatro anos: repatriar Vagner Love. É provável que o esforço financeiro tenha sido grande, mas os dirigentes foram perfeitos em abdicar de Mozart, que tinha alto salário e nada oferecia. Love recompensou com um gol contra o Cruzeiro que, provavelmente, nenhum outro atacante do elenco palmeirense faria.

A sorte recompensou o esforço e a competência do Palmeiras novamente contra o Atlético-PR. O clube trabalhou bem nos bastidores e bancou Danilo em campo contra seu clube de origem. Se ele não estivesse em campo, o time teria jogado sem seus dois zagueiros titulares, já que Maurício Ramos se machucou de início. Depois, Danilo ainda fez o gol da vitória e, no fim, salvou outra bola em cima linha.

3 comentários:

Wilson Hebert disse...

Também acredito que o Palmeiras esteja fazendo um trabalho exemplar na sua gestão. Não basta ter dinheiro, é preciso saber usá-lo tambem.

Inclusive, o time é a minha aposta para esse título brasileiro. E seria mesmo se não tivesse a ajuda tão absurda da arbitragem.

Abraço, Dassler!

Saulo disse...

Está merecendo mesmo.

Paulo Considera disse...

Concordo com o bom trabalho do Belluzo/Cipullo/Toninho. E gosto muito do Muricy, taticamente e da maneira que ele conduz o grupo de jogadores. Apesar dos times dele sempre jogarem feio e tal.

Agora, dentro de campo o Palmeiras não faz por merecer essa vantagem na tabela.

Todas as últimas vitórias o Palmeiras jogou igual ou pior que seus adversários. Sport, Barueri, Cruzeiro, Atlético-PR. Em todos o Palmeiras não foi superior.

O Internacional ganhou vários jogos sendo superior (Atlético-MG, Goiás, Avaí). São Paulo, Goiás e Atlético-MG a mesma coisa, costumam vencer jogando melhor.

No futebol é comum um time vencer mesmo sendo inferior ao longo do jogo. É normal times ganharem e perderem assim. Mas o Palmeiras tá exagerando um pouquinho nesse aspecto.

Mas não tem como negar que, se as arbitragens derem uma trégua nessa reta final, sem desequilibrar tanto o campeonato, o Palmeiras mesmo jogando feio e pior que a maioria dos seus adversários, terá merecido o título. Como diz o Mano Menezes, futebol é colocar a bola na casinha.